//Comunidade do bairro Santa Clara receberá orientações sobre Minicompostagem Ecológica

Comunidade do bairro Santa Clara receberá orientações sobre Minicompostagem Ecológica

 A prática da compostagem do lixo orgânico aumenta a vida útil do aterro sanitário, gerando economia para a municipalidade

No sábado (5), às 9h30min, no bairro Santa Clara, a Secretaria de Serviços Públicos e Meio Ambiente desenvolverá, junto à comunidade do próprio bairro, o conceito do Lixo Zero, a partir da prática da Minicompostagem Ecológica (MCE), cujo objetivo central é o aproveitamento dos resíduos orgânicos como adubo para hortas e canteiros de flores.A diretora de Meio Ambiente, Silvia Oliveira, disse que inicialmente este trabalho ecológico-ambiental, centrado no conceito Lixo Zero, abrangeu o universo das escolas municipais e estaduais. E agora, em 2017, está retomado, através da Secretaria de Serviços Públicos e Meio Ambiente, tendo como público-alvo entidades e centros comunitários. “Desde 2013, numa parceria com o CAV/Udesc, Prefeitura e CEAP, o projeto Lixo Orgânico Zero tem envolvido escolas da rede pública do município de Lages para o descarte dos resíduos orgânicos no espaço onde foi gerado. Cerca de 200 palestras já foram realizadas em escolas”, salienta Silvia.O secretário de Serviços Públicos e Meio Ambiente, Euclides Mecabô (Tchá Tchá) justifica que se trata de um projeto voltado para a preservação do meio ambiente, através do qual as pessoas aprendem a fazer compostagem do lixo orgânico e, com esta prática, contribuem com a vida útil do aterro sanitário, gerando economia para a municipalidade.

Tema de mestrado

Silvia Oliveira, hoje diretora de Meio Ambiente, desenvolveu durante curso de mestrado em Ambiente e Saúde, finalizado em maio de 2016, uma pesquisa denominada Minicompostagem Ecológica: uma estratégia de Educação Ambiental nas escolas de Educação Básica de Lages. “O objetivo da pesquisa foi avaliar o projeto e caracterizar o desenvolvimento da MCE na destinação dos resíduos orgânicos em escolas, de 2013 a 2015, além de averiguar o uso da MCE como estratégia contínua de educação ambiental.”Conforme a pesquisa, cerca de uma tonelada de resíduos orgânicos, por semana, teve destinação correta, em virtude do projeto Lixo Zero. “Em 2015, de acordo com o Portal Transparência, o custo do recolhimento de uma tonelada de lixo foi de R$ 201,58. Portanto, a economia para a prefeitura foi de R$ 9.679,84”, calcula Silvia.

 

Serviço

 

O Que: Orientações à comunidade sobre Minicompostagem Ecológica

Onde: Centro Espírita Santa Clara (ao lado da Associação de Moradores)

Quando: Sábado, 5, às 9h

Quem: Secretaria Municipal de Serviços Públicos e Meio Ambiente

 

Fotos: Marcelo Pakinha e Divulgação