//Lageano que matou e esquartejou mulher em Caxias do Sul é preso em Lages

Lageano que matou e esquartejou mulher em Caxias do Sul é preso em Lages

A Polícia Militar de Lages, sobre comando do Sargento Externo Diogo, com apoio da ROCAM e Serviço de Inteligência(P2), descobriu o paradeiro do meliante Alessandro Barbosa, de 31 anos, que estava sendo procurado pela Polícia Civil do RS, pelo crime de homicídio qualificado (feminicídio).

A prisão do tchô, aconteceu por volta das 16h40min. Os militares foram até o bairro Vila Maria em Lages, onde o elemento estava escondido na casa de seu tio. Durante a abordagem, Alessandro, sabendo que iria em cana, reagiu com socos e pontapés, sendo necessário o uso de força física para imobiliza-lo. No quarto aonde ele estava mocosado, os militares acharam pedras de crack, e um prato com resquícios de droga, utilizado na divisão da droga. Ainda no local, foi recuperado um moto CG placa ISC-0815 de Caxias do Sul, com registro de furto e roubo, possivelmente utilizada pelo safado após o crime que cometeu no RS.

Entenda o caso

A motivação do crime seria uma prisão ocorrida em 18 de junho. Na ocasião, a Brigada Militar (BM), foi acionada por Ana Paula para atender um caso de violência doméstica. Durante o atendimento, os policiais descobriram que a residência do casal era um ponto de tráfico, e Barbosa foi preso em flagrante. Na ocasião, foram apreendidas 22 porções de maconha (pesando 88 gramas), e 24 pedras de crack (4,5 gramas), diversos objetos sem procedência e três motocicletas. Após ser solto por meio de um habeas corpus, Barbosa voltou a casa da vítima e matou Ana Paula com dois tiros na cabeça. Na sequência, utilizou facas, um machado e um facão para esquartejar a namorada. Alessandro enrolou o corpo e os instrumentos utilizados no esquartejamento em cobertores, e os arremessou na represa Portal da Maestra em Caxias do Sul. A intenção era que o pacote permanecesse submerso e o crime não fosse descoberto. No entanto, o plano não deu certo e o assassinato foi descoberto na manhã do dia 6 de setembro por um funcionário da Vigilância Ambiental do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae), que avaliava a qualidade da água. Após arremessar o corpo na represa, Barbosa retornou para a casa da vítima, retirou todos seus pertences pessoais e colocou fogo na residência. O acusado fugiu para Santa Catarina, para a cidade em que seus pais moram.