Clube Cruz e Souza comemora 100 anos de fundação

Não é todos os dias que uma entidade comemora 100 anos de existência. Principalmente quando a finalidade da sua atividade é baseada em princípios nobres, como foi a de preservar a história da raça negra em Lages. Portanto, a diretoria  do Clube Cruz e Souza, para comemorar seu primeiro século de fundação, promoveu uma semana de eventos que começou no dia 6/9 e no decorrer dos dias foi apresentado um Documentário sobre a história do Clube. Vale lembrar que, a presença  feminina teve importante participação na promoção comemorativa. Também o lado cultural não passou despercebido da diretoria do clube, com uma apresentação fantástica no Teatro Marajoara, onde foi demonstrada a tradição e  a parte cultural afro descendente. Nada melhor para relatar os detalhes das comemorações que uma historiadora e pesquisadora, a qual participou ativamente nas elaborações da programação cultural que está sendo levada a efeito em homenagem aos 100 anos de fundação do Clube Cruz e Souza.

Ela a professora da rede estadual de ensino e da Uniplac, Nancy Alves da Rosa, que não integra a diretoria do clube, porém, conhece profundamente a história da Clube, relatou à reportagem de Notícia no Ato, os seus registros que envolve a entidade lageana: “contribuo como pesquisadora, lembrando que, na Uniplac temos o Neab- Núcleo de Estudos Agro-brasileiro e Indígena. E também como moradora da Brusque e frequentadora do clube com meus familiares estamos colaborando com as programações das festividades comemorativas aos 100 anos do Clube Cruz e Souza. São vários dias com diversos eventos. As equipes se dividiram para dar conta da promoção. Começou no dia 6 com o Encontro de Gerações de Samba. No sábado teve o Chá das Margaridas, um momento emocionante, com homenagens às senhoras que ainda participam da organização e também em memória daquelas que já se foram. Tivemos um Desfile de Modas e a apresentação de um Documentário sobre o histórico do Clube.

 No decorrer do dia foi aberta a  Exposição de Artesanato das Mãos Negras, um trabalho das mulheres que trabalham com hoby o seu artesanato, cujas mulheres valorizam o seu tempo e praticam com dedicação a confecção do artesanato criando através de peças objetos decorativos. Temos um exemplo, a senhora Nely Athayde, viúva de Sebastião de Athayde, a qual se dedica ao bordado, principalmente em roupas infantis. Que com todo carinho continua praticando esse tipo de arte e técnica.  Teremos no Teatro Marajoara uma apresentação da poesia do Cruz e Souza, assim como danças ligadas à tradição e cultura afro brasileira. Também de muita importância será a homenagem que a Câmara de Vereadores de Lages prestará à diretoria atual e de tempos que já se vão ao longe. Será no dia 22 de Setembro, o Baile e Jantar Festivo. Já que nesta data é oficialmente comemorada a fundação do Cruz e Souza de Lages. Antecipamos as comemorações para que a sociedade pudesse tomar conhecimento da história de fundação do clube” observou a professora Nancy Alves de Souza.

Um pouco de história

A história do Clube no decorrer dos 100 anos de fundação, também é lembrada pela pesquisadora: “Na época do Cruz e Souza o racismo era explicito. Não era permitida a entrada em ouros clubes da cidade. Também em bailes de formaturas mulheres eram barradas nas portas de entradas. Assim que a fundação  do clube, teve uma especial finalidade: para que as pessoas negras de Lages, tivessem um lugar de entretenimento, onde pudessem se divertir, e também para  que as discussões políticas e culturais entre os afro descendentes tivessem um local adequado, levantando a autoestima da população negra de Lages. Se hoje, muitos de nós estamos frequentando universidades e outras instituições foi graças a esses pioneiros que fundaram o clube como título de organização. Muitas lideranças políticas e de entidades de classe colaboraram para que o objetivo fosse concretizado, inclusive o médico Sérgio Sartori e outros que conseguiram o terreno para que a sede do clube fosse construída. Enfim, muitos anos se passaram. As pessoas foram namorando, casando através de encontros no Clube Cruz e Souza. E assim, construíram a história do Clube que, oficialmente comemora no dia 22 de setembro de 2018, o primeiro século da sua fundação”, concluiu Nancy Alves de Souza.

Achou essa matéria interessante? Compartilhe!

Deixe um comentário