//Na corrida contra o sedentarismo, Sesi realiza o Corridas do Bem

Na corrida contra o sedentarismo, Sesi realiza o Corridas do Bem

Na corrida contra o sedentarismo

Em 2019, a etapa Lages do Circuito Corridas do Bem FarmaSesi, ocorre no domingo, 28 de abril. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo link 

https://ticketagora.com.br/e/corrida-do-bem-farmasesi-2019-2-etapa-lages-71099

Como forma de estimular a prática de atividade física para obter uma vida mais saudável, o Serviço Social da Indústria (Sesi), promove todos os anos o Circuito Corridas do Bem FarmaSesi, em 16 cidades de Santa Catarina. Em Lages, mais de 900 pessoas devem participar da prova no dia 28 de abril.

A competição terá as modalidades de 5 e 10 quilômetros e caminhada. Para as crianças de quatro a 13 anos, a Maratoninha. Realizada pela FarmaSesi, o evento propõe unir o incentivo à cultura esportiva e prática de fazer o bem. 

A gerente regional do Sesi/Senai Serra Catarinense, Silvia De Pieri Oliveira, destaca que além de estimular a prática a atividade física, o evento tem uma importante responsabilidade social. “O Corridas do Bem tem a nobre missão de reverter parte da renda arrecadada com as inscrições para uma instituição de amparo social. Este ano, quem receberá a doação será a Casa de Apoio Colibri, que ampara pacientes em tratamento de câncer”.

A corrida como estilo de vida e saúde

Para incentivar mais pessoas a aderirem a prática de atividade física, o Sesi reuniu um time de profissionais da saúde e corredores para algumas dicas de como iniciar a atividade da maneira correta.

Trouxe a Lages, a jornalista e ultramaratonista, Franciela Santin, que se prepara para correr 100 quilômetros no próximo dia 20 de abril a TUTAN 2019 – a Transmantiqueira Ultra Trail Agulhas Negras, jornada que atravessa as terras altas da Serra da Mantiqueira.  Antes sedentária, a jornalista iniciou a prática da atividade física em 2014 como forma de incentivar o marido Gelson Sbardelotto a perder peso e construiu uma história de sucesso com a corrida.

Quase cinco anos depois, e com 32 quilos eliminados, o casal acumula alguns quilômetros de corrida. Ela, pegou gosto pela atividade e segue colecionando títulos nas competições em que participa. “O que queremos mostrar às pessoas com nossa trajetória, é que com força de vontade e mudança de estilo de vida, tudo é possível”.

Experiências incentivadoras

Franciela, comandou ainda, um bate-papo sobre a preparação correta para começar a correr com profissionais ligados à prática da atividade física e corredores. Integrante do Clube de Atividades Físicas do Sesi desde 2017, o industriário Marcelo de Oliveira, relatou que a prática de atividade física em grupo e o acompanhamento profissional de nutricionista, psicóloga e educadora física fez toda a diferença na transformação de vida dele. “Em um ano e meio emagreci 15 quilos com atividade física e alimentação. Minha última marca foi subir os 13 quilômetros da Serra do Rio do Rastro em duas horas”.

Ele conta com o acompanhamento da educadora física do Sesi e corredora, Alexsandra Lima. Ela frisa que aqueles que tem vontade de iniciar na corrida, devem procurar antes um profissional para receber a orientação adequada. “É importante que as pessoas fortaleçam a musculatura, alonguem e compreendam a técnica adequada para evitar problemas de lesões”.

Para o executivo da Câmara de Dirigentes Lojistas de Lages (CDL), Jhonathan Silva, correr é uma forma de melhorar o estresse do dia a dia. Ele não participa de competições com o objetivo de se tornar um atleta, mas desafia o próprio desempenho. “Procuro manter uma constância nos treinos. Correr é uma atividade que me faz bem, me mantem saudável, e em forma”.

Sem nadar até os 35 anos, médico virou triatleta

O esporte sempre brilhou o olhos do médico e triatleta amador, Alexssandro Schwinden. Ele, que nunca nadou até os 35 anos, resolveu se desafiar e iniciar a prática da atividade. Atualmente, corre, nada e pedala e se prepara para competir o Challenge Triathlon em maio deste ano. “Ao longo do tempo de atividade física como triatleta fui entendendo que precisava de um planejamento, de periodização. Essa organização me levou mais longe. Eu me divirto na prova, é uma sensação única de superação”.

Por Catarinas