//Outubro Rosa: Lages é referência estadual na agilidade do diagnóstico do câncer de mama

Outubro Rosa: Lages é referência estadual na agilidade do diagnóstico do câncer de mama

As pacientes são encaminhadas em um prazo de até 15 dias para o tratamento no Centro Oncológico do Hospital e Maternidade Tereza Ramos

Quando se fala em qualquer tipo de câncer, todos sabem da importância de se obter um diagnóstico preciso, o mais rápido possível, para aumentar as chances de cura. Segundo o Ministério da Saúde, no Brasil cerca de 56% dos pacientes só recebem a confirmação da doença quando ela já está bastante desenvolvida, o que diminui consideravelmente a efetividade do tratamento. Este percentual vem crescendo nos últimos anos: em 2013, eram 53%. Em alguns casos, a demora é de até 200 dias, ou seja, são quase sete meses para se iniciar o tratamento adequado.

Mais especificamente sobre o câncer de mama, um diagnóstico em estágio inicial pode elevar para acima de 90% a chance de a paciente ser curada, com tratamentos menos agressivos e cirurgias menores. Existe uma legislação federal que preconiza um prazo de até 60 dias, desde o diagnóstico da doença até a paciente ser encaminhada para o tratamento. Lages se tornou referência em Santa Catarina, pois a paciente é encaminhada, na maioria das vezes, em um prazo de até 15 dias para o tratamento no Centro Oncológico do Hospital e Maternidade Tereza Ramos. “Temos caso em que conseguimos desde a queixa da paciente até ela iniciar o tratamento um período inferior a 30 dias”, aponta o médico mastologista do Ceasm, Fernando Vequi Martins.

A porta de entrada para todas as mulheres que buscam a prevenção é a Unidade Básica de Saúde (UBS). Lá são realizadas as consultas e, a partir da detecção de nódulos ou qualquer suspeita de câncer de mama ou colo do útero, a paciente é encaminhada para o Centro de Estudos e Assistência à Saúde da Mulher (Ceasm), que é um serviço especializado da Secretaria da Saúde. “Não estamos com uma demanda reprimida, por isso o acesso às consultas no Ceasm tem sido bastante rápido, com no máximo uma semana. Aqui elas têm acesso à biópsia com um prazo de quinze dias e o resultado em seguida”, diz o mastologista.

Além da área da mastologia, o Ceasm possui uma equipe multidisciplinar com enfermeiros, assistente social, psicólogo, técnicas de enfermagem e médicos especialistas nas áreas da ginecologia e obstetrícia. É realizada mensalmente uma média de dois mil atendimentos nestas três áreas.

Impacto na vida familiar e campanhas de prevenção

Uma das campanhas da Sociedade Brasileira da Mastologia ao longo dos anos é a luta pelo melhor acesso aos exames preventivos com especialistas e orientações à população feminina. “O diagnóstico é sempre muito impactante na vida de uma mulher. A notícia de que ela tem um câncer de mama abala sua imagem pessoal e até mesmo a percepção de sua sexualidade. O câncer de mama é uma doença familiar, pois todos ficam doentes juntos, considerando a importância da mulher em casa e no mercado de trabalho, um grande pilar na nossa sociedade”, destaca Dr. Fernando.

Todas as mulheres devem fazer o exame clínico das mamas pelo menos uma vez ao ano, desde a menarca, que é o primeiro ciclo menstrual. Ao chegar à faixa etária de 40 anos é preciso iniciar os exames preventivos anualmente. E se a mulher tiver um histórico familiar de câncer na família, o cuidado deve ser redobrado.

Outro princípio da Sociedade Brasileira da Mastologia é evitar o estímulo ao autoexame, pois essa prática pode adiar o diagnóstico. Somente 15% das pacientes que tiveram o diagnóstico positivo para o câncer de mama foi um mastologista ou exames clínicos preventivos que diagnosticaram. “Na maioria das pacientes que atendemos, a doença é descoberta por elas mesmas. Infelizmente ainda existe essa cultura de que se não está sentindo nada, não precisa ir ao médico. São fatores que dificultam a prevenção”.

Somente a mamografia é capaz de dar um diagnóstico precoce do câncer de mama. Trata-se de um exame que consegue detectar tumores menores que um centímetro, que nem mesmo um mastologista consegue apalpar e sentir. As mulheres, durante o autoexame, conseguem sentir nódulos de no mínimo dois centímetros. “O nódulo de um centímetro ainda é pequeno, no entanto, o câncer de mama, assim como os outros, tem uma curva de crescimento inicial muito lenta. Então, pra chegar a esse tamanho já se passou cerca de oito anos com a doença. Por isso, a importância dos exames preventivos”, explica o médico.

Texto: Aline Tives/Fotos: Ary Barbosa