Entre críticas e desabafos prefeito Ceron avaliou sua administração em 2017

Encerrando as atividades de sua administração municipal em 2017, o prefeito Antônio Ceron, PSD, não feliz um balanço técnico da sua gestão na coletiva de imprensa que concedeu na quinta-feira, 21/12.  Em determinados momentos usou sentimentos; em outros, desabafou, criticou e renovou esperanças no ano 2018, sendo até meio cético em relação ao deslanchar da economia no exercício vindouro, e aproveito o ensejo para avisar que não terá mudanças no Colegiado. “Se não vier recursos de emendas ou de convênio com o Governo Estadual ou Federal, eu fico com três secretários:  o Arruda (administração e Finanças), a Odila (Saúde) e a Val (Educação). O restante, eu dispenso todo mundo. Ou seja, um retrocesso forçado na administração municipal.

Criticas & Desabafos

Na coletiva onde não faltou resquícios de irritabilidade e descontentamentos com determinadas situações, o prefeito Antônio Ceron, aproveitou o ensejo para dar umas alfinetadas em quem teceu alguns comentários que não agradou o alcaide. Principalmente sobre uma reportagem divulgada pela imprensa falada criticaram um gasto ocorrido numa empresa comercial de Lages, cujo valor, segundo o prefeito, não corresponde com a verdade. “Sem um mínimo de responsabilidade comprometeram uma empresa idônea, afirmando que a prefeitura comprou 355 mil em bandeiras, quando na verdade foi 1.933 reais”, observou Ceron, reiterando ainda que “quem não gosta de Lages jogou um saco de penas e agora não irá recolher” criticou o prefeito de Lages que na continuidade discorreu sobre os gastos das ornamentações natalinas. “Chutaram que foi gasto 350 mil na decoração do Natal Felicidade. Eu pergunto: Já foi emitida a Nota Fiscal? E mesmo que os anjos tenham cara feia, será pago o que foi licitado”, sentenciou Ceron.

Outras cutucadas

No andar da carruagem, ou seja, na continuidade da coletiva de imprensa, ainda com o semblante demonstrando irritabilidade, o prefeito Ceron, deixou extravasar sua contrariedade. Sério e irônico ao contestar as acusações já formuladas no decorrer dos dias que passaram, o prefeito criticou o posicionamento do Observatório Social: “No momento em que se coloca a serviço de um partido político, perde a finalidade. Uma foi a denúncia do Natal Felicidade, pois teriam que questionar o edital, nunca dar palpites depois de licitado, o que é uma irresponsabilidade. Ainda sobre o Projeto do Centro Administrativo, o Observatório chutou uma suposta economia de R$ 800 mil. Eu não seria tão irresponsável de manter um projeto que não obteve financiamento. Eles podem me querer processar, mas quero mante essa gente no seu devido lugar e me deixem trabalhar”, propôs Ceron.

As boas intenções

Na verdade, a economia do País, com um pálido quadro de crescimento, não leva nenhum administrador a uma euforia. Pelo contrário, ainda é grave a situação econômica do município. Nem quando Otacílio Costa e Correia Pinto se desmembraram, Lages caiu tanto em 2016 que ficou em 12° lugar no Estado, sem esquecer que já foi a primeira em economia. “Por isso o nosso desafio para 2018 é a geração de emprego e renda, pois não tem situação mais triste do que conversar com um pai de família e ele pedir um emprego para poder sustentar os filhos.”, concluiu o prefeito de Lages, Antônio Ceron.

Achou essa matéria interessante? Compartilhe!

Deixe um comentário