Presidente de Associação de Moradores não quer mutirão no bairro

Essa atitude faz lembrar duas coisas: a primeira uma decisão que já tivemos no País, que, com certeza ele aprecia: o regime ditatorial. De um outro lado, esqueceu que é presidente apenas de um bairro. E que nem todos os moradores votaram nele. Esquece ainda, que é apenas presidente de uma associação de moradores. Não tendo, portanto, voz ativa em praticamente nada. Assim que, recusar que a Prefeitura do Município de Lages, através da Secretaria de Obras realize um mutirão no bairro Santa Cândida, é, no mínimo uma atitude mórbida, inconsequente de um cidadão que, ocupa um cargo como outros nos demais bairros da cidade. Ele não é o único. Não deve e não pode proibir o poder público municipal de realizar melhoramentos para a comunidade. A atitude desse presidente tem que ser analisada pela União das Associações de Moradores dos bairros de Lages. E, se for necessário, até mesmo afastá-lo do cargo. Por ser um caso que prejudica uma parte da população, cabe também ao Ministério Público intervir e determinar o afastamento do presidente da Associação de Moradores do Bairro Santa Cândida. E a Prefeitura Municipal de Lages,  deve também se explicar aos moradores do bairro Santa Mônica do motivo que aceitou  o ordenamento daquele cidadão. Há quem diz: “ordem errada não se executa”.

Achou essa matéria interessante? Compartilhe!

Deixe um comentário