//Polícia Militar prende cinco homens do “golpe das tintas” por estelionato e associação criminosa

Polícia Militar prende cinco homens do “golpe das tintas” por estelionato e associação criminosa

Polícia Militar alerta que este tipo de golpe de estelionato é comum, e pede que população fique atenta.

 A Polícia Militar de Lages prendeu no domingo, 16, cinco homens suspeitos de estelionato, associação criminosa e nota falsa, em Lages. O fato ocorreu por volta 22h35min, na Marginal da BR-116, no bairro Área industrial. Todo o material apreendido pela polícia indica que o bando vendia, aproximadamente R$ 36 mil por mês, em produtos falsificados.A polícia recebeu informação que um grupo de homens, vindos de São Paulo, estariam percorrendo Lages e região para vender tintas em residência como se fossem da marca Suvinil. Mas, na verdade, o produto que continha nas latas era muito inferior, parecia ser uma espécie de cal. Dois cidadãos, um homem e uma mulher, moradores do bairro Gethal, acionaram a PM no início da noite de domingo, informando que teriam sido vítimas do grupo do “golpe das tintas”. Imediatamente, a PM começou a diligenciar em hotéis da cidade à procura dos indivíduos.Em um hotel, no bairro Cidade Alta, às margens da BR- 116, avistaram na garagem do estabelecimento, o carro que, segundo informações das vítimas, era usado na prática do crime. O gerente relatou que dois homens haviam saído e, outros três estavam no hotel. Ele repassou o número dos quartos para os policiais.Os policiais aguardaram até que os dois indivíduos retornassem para o Hotel e, com o apoio de outra viatura, realizaram a abordagem dos sujeitos. Durante inspeção veicular, foram encontradas no compartimento de carga do veículo, 11 latas com a inscrição Suviacrilíco. No interior dos recipientes, um líquido branco, semelhante a cal. Os envolvidos relataram que eram tintas e que tinham todas as notas dos referidos produtos no quarto do Hotel. Os envolvidos entregaram aos policiais militares algumas notas fiscais. Porém, a quantidade de produto informada nos documentos não fechava com a quantidade que estava em posse deles.Ao consultar a chave de acesso das notas no site da Fazenda do Governo Federal, os PMs verificaram que não existia NFe com aqueles dados. Constataram também, que três notas não tinham a data de saída dos produtos e, outras duas que possuíam data, eram carimbadas. O carácter bem diferente da impressão, indicava falsificação. Nas mochilas dos envolvidos também foram encontradas máquinas de cartão de débito e crédito de diferentes marcas. Ainda, dezenas de comprovantes de depósitos bancários de inúmeras pessoas físicas e bancos. Havia mais um caderno de contabilidade das vendas. Os cinco homens foram presos. Um deles, inclusive, havia sido detido no dia 28 de janeiro deste ano, na cidade de São José pelo mesmo crime, estelionato e emissão de nota fiscal falsa. Ele teria vendido o mesmo produto, falsa tinta. As latas de tinta falsa e os envolvidos foram encaminhados até a Delegacia de Polícia Civil para os procedimentos.

 População deve ficar atenta a esse tipo de golpe

 As vítimas relataram que os homens bateram na porta de suas residências oferecendo latas de tinta da marca Suvinil. Os sujeitos alegam estar vendendo o produto pelo preço de R$ 100, ou seja abaixo do valor de mercado, porque estavam com o caminhão deles quebrado e precisavam voltar para as suas casas no Rio Grande do Sul. Eles garantiam que o produto era original e de qualidade. O homem comprou duas latas e a mulher três. Após os indivíduos saírem do local, ambos foram abrir as latas e, notaram que haviam sido vítimas de uma fraude, pois o líquido era parecido com um “melado”.

Por Catarinas II/ 6º BPM

Prezado responsável pela página “ Notícias Ato”
Como responsável legal pela empresa Perolla Tintas, entro em contato com Vossa Senhoria para esclarecer o quanto segue:

A Pérolla Tintas é uma industria de tintas residencias, devidamente constituída e em regular funcionamento em consonância as leis da República Federativa do Brasil. Com muito custo a apreço, obtivemos todas as licenças de fabricação necessárias perante todos os órgãos reguladores bem como, atestamos nossos produtos com sua real capacidade de resultado. Se não bastasse, afim de transparecer nossa identidade e identificação com nosso produto, registramos todas as nossas marcas perante o INPI, trabalhando dentro da maior lisura.

Neste sentido, constatamos que um produto de nossa empresa encontra-se publicado na página “Notícias Ato” como sendo um produto desqualificado, algo diverso do que tinta. Importante esclarecer que nossos produtos são qualificados e encontram-se devidamente registrados, não merecendo florescer qualquer menção negativa como a disposta em vossa página. Assim, convidamos Vossa Senhoria para que entre em contato conosco e venha conhecer nossa industria afim de comprovar o alegado nesta mensagem e, por fim, como meio de evitar transtornos de orla civil, que retire gentilmente a publicação denegatória de nosso produto em sua página.

Aguardamos Vosso contato para melhores esclarecimentos,

Atenciosamente,