//Lideranças em Brasília pelo manejo sustentável das araucárias

Lideranças em Brasília pelo manejo sustentável das araucárias

O ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles recebeu em audiência na manhã desta quarta-feira (04), uma comitiva composta por representantes da Serra Catarinense mais o senador Jorginho Melo, para tratar sobre o manejo sustentável das florestas de araucárias. O chefe de gabinete do ministério Jorge Davi e a assessora Suzana Silveira, acompanharam a reunião que terminou com a proposta de novos estudos, mais amplos e aprofundados com vistas uma possível supressão sustentável de araucárias.

A audiência às 10 horas no gabinete do ministro Salles, foi agendada pela deputada federal Carmen Zanotto e o senador Jorginho Melo. O prefeito de Anita Garibaldi e presidente da Amures, João Cidinei da Silva representou os demais prefeitos da Serra Catarinense.

O presidente da Câmara de Vereadores de Lages Vone Scheuermann e o vereador Thiago Oliveira, além do secretário executivo da Amures Walter Manfroi auxiliaram na apresentação do projeto de Manejo Sustentável para Conservação de Araucária Angustifólia.

De acordo com Walter Manfroi, o ministro orientou o grupo para ampliar estudos com instituições de pesquisas do Paraná e Rio Grande do Sul. Desta forma construir uma proposta de manejo sustentável ampla e profunda.

“Nossa proposta é o manejo sustentável das florestas e não a extração sem repor as árvores que serão suprimidas. Como está hoje, é certo que a reposição das árvores que morrerem daqui para frente, não acontecerá, porque a floresta se tornou intocável”, comentou João Cidinei da Silva.

Desde 2018, tramita na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, o projeto de manejo sustentável das florestas de araucárias. A proposta é defendida pelo deputado Milton Hobbus.

Ele apresentou o projeto à entidades como Instituto Brasileiro de Meio Ambiente – Ibama, Fundação do Meio Ambiente – Fatma, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Conselho Estadual de Meio Ambiente – Consema, mas as tratativas não evoluíram.