Ceron fala de obras, ausência de Colombo e parceria de Pinho Moreira

Recentemente o prefeito municipal de Lages concedeu entrevista a um veículo de comunicação. Na oportunidade, respondeu diversas indagações do jornalista. Entre elas, comentou sobre a saída do governador Raimundo Colombo. “É evidente de que, para Santa Catarina, para Lages vai fazer diferença, até porque ele era o titular. Ele foi comandante de uma  proposta  de governo vencedora nas urnas. Em termos de relacionamento, ou seja, Lages e o Governo do Estado, deve continuar da mesma forma, até porque o nosso relacionamento com o Eduardo é o melhor possível a o longo da história e nós sabemos do seu comprometimento em todas aquelas ações em que o governador Raimundo Colombo iniciou há sete anos, e com a participação dele, e que vão se concluir no final do ano.”, disse o prefeito de Lages.  Indagado sobre o equilíbrio da economia da Prefeitura Municipal, se o faria ser um prefeito com tranqüilidade, ao que Ceron respondeu: “Tranquilidade a gente não espera não. Sabemos que as demandas do setor público são cada vez maiores. A persistência nossa será a de seguir os objetivos que nos comprometemos com a comunidade, visando superar as dificuldades que vão existir até o final do mandato. Podemos até fugir de outro comprometimento, mas este não. Este é o nosso compromisso, zelando por cada centavo que entra na  Prefeitura,  para que esses recursos que são oriundos dos impostos, se revertam em benefício da comunidade, seja em obras, seja em ações sociais, seja numa educação de qualidade ou num trabalho que também nos satisfaça na área da saúde.” Observou Ceron.

Problemas sérios

Ainda na continuidade da entrevista,  Ceron fez uma sucinta  retrospectiva do primeiro ano de administração municipal. “No primeiro ano já tivemos algumas obras importantes já realizadas, e também buscamos colocar o trem nos trilhos dentro da nossa concepção. Isso é o que se diz em termos de organização administrativa; menos política partidária, visando controlar o orçamento de maneira adequada, não fazer nada em exagero, não comprometer a receita  com aquilo que não dá para fazer; enfim, cuidar de cada centavo que entra nos cofres da prefeitura. Assim organizamos a casa quase dentro daquilo que nós imaginávamos. Porém, ainda existem muitas questões a serem equacionadas”, enfatizou o chefe do Poder Executivo Municipal, reiterando ainda  sobre suas principais preocupações: “Nós temos problemas sérios na prefeitura.. Por exemplo, o Lages Previ, que é a previdência do município, tirou do Caixa, cerca de R$ 14 milhões no ano passado, além de mais de 6 milhões de precatórios, somando assim, R$ 20 milhões, o que daria para fazer muita coisa. Que nos ouve dizer  assim, vai dizer “isso não é problema meu”, mas é um problema da cidade de Lages. Infelizmente é um problema que temos de conviver. Então dentro das dificuldades que tem de cuidar e a cada dia mais apertar o cinto, para podermos fazer uma gestão responsável”, aponto o prefeito.

 Sequência das obras

Sobre o que deve  marcar a sua administração em 2018, o prefeito Antônio Ceron lembrou sobre muitos projetos que estão parados e que devem ter continuidade. “Este ano devemos concluir o projeto do Complexo Araucária, dar uma boa sequência no Ponte Grande; iniciar as obras de revitalização do Mercado Público e a revitalização do Centro de Lages.Estas eram ações que estavam capengas, paradas,  e que nós conseguimos no primeiro ano com toda a equipe fazer com que essas obras andassem, ou co perspectivas de andar, como é caso da revitalização do Centro, e que até o final de Fevereiro vai estar com o Edital na rua.”, concluiu Antônio Ceron, prefeito de Lages.

Achou essa matéria interessante? Compartilhe!

Deixe um comentário