Matrículas no sistema municipal de Educação serão realizadas a partir do dia 27 de novembro

Esta etapa necessita ser presencial, pois cada pai pode optar por sua escola de preferência. O cadastro precisa ser feito com toda a documentação exigida no edital, além do preenchimento de um cadastro

A Prefeitura de Lages, por meio da Secretaria Municipal da Educação, comunica pais ou responsáveis que as inscrições na lista de espera para o ano letivo de 2021, tanto na educação infantil quanto para o ensino fundamental, serão realizadas a partir do dia 27 de novembro. As rematrículas para os alunos que já estavam matriculados em 2020 aconteceram automaticamente no período de 16 a 19 de novembro. No dia seguinte, 20 de novembro, foram divulgadas as vagas que sobraram em cada unidade escolar.

Esta etapa necessita ser presencial, pois cada pai pode optar por sua escola de preferência. O cadastro precisa ser feito com toda a documentação exigida no edital de matrículas, além do preenchimento do cadastro com informações como telefone de contato e endereço atualizados. Todas as unidades escolares estarão cumprindo as exigências sanitárias para a prevenção e combate ao novo Coronavírus. “Algumas unidades, com demanda maior devido a grande procura por turno integral para educação infantil e ensino fundamental, como foi o caso da escola Domingas Bianchini, os pais precisaram formar uma fila. Lembramos que o município oferece vagas em outras escolas, mas por opção das famílias em determinadas unidades, as filas acabam ficando maiores”, explica a coordenadora da educação infantil, Andrea Bortoluzzi.

O Sistema Municipal de Educação conta com 74 Centros de Educação Infantil Municipal (Ceims) e 33 Escolas Municipais de Educação Básica (Emebs) e todas divulgaram em seus murais, ou redes sociais, a quantidade de vagas para a lista de espera.

Os critérios adotados para a lista de espera da educação infantil foram pactuados entre o Município e o Ministério Público. Entre eles, será considerada prioridade o atendimento de crianças em situação de risco, hipossuficiência da família, ou seja, que recebem benefícios do programa Bolsa Família, pais ou responsáveis que trabalham em período integral e crianças que residem mais próximas da unidade escolar.

Texto: Aline Tives

Achou essa matéria interessante? Compartilhe!