Escolas municipais focam na recuperação pedagógica de alunos com dificuldades durante a pandemia

A rede Municipal não retornará com as aulas presenciais neste ano, mas o Município instituiu o Comitê de Gerenciamento da Pandemia para planejar este processo no ano que vem

Se durante um ano letivo normal a chegada do final do ano é sempre de preocupação com os estudantes que não obtiveram as notas mínimas para a aprovação, imagina em um ano atípico, em plena pandemia, com aulas acontecendo de forma remota e atividades não presenciais. Equipes gestoras da Secretaria Municipal da Educação, juntamente com o corpo docente, voltam suas atenções aos processos de recuperação de alunos que tiveram dificuldades no aprendizado ao longo do ano.

Estes alunos estão inseridos em um programa municipal chamado Busca Ativa. A recuperação paralela está prevista na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), e está sendo realizada de forma ainda mais intensa neste período de pandemia. “Estamos atendendo as crianças que precisam de uma atenção especial, que neste momento é o grupo prioritário. Os profissionais permanecem nas unidades escolares trabalhando neste processo de recuperação, nas terças e quintas-feiras”, afirma a diretora de ensino, Andressa Alano.

O relatório de atividades educacionais não presenciais durante a pandemia está em fase de fechamento pela Secretaria da Educação, para envio ao Conselho Municipal de Educação (CME). O conselho deverá dar seu parecer e aprovação das 800 horas de atividades previstas para este ano pelo Ministério da Educação (MEC).

As atividades foram realizadas em duas modalidades: através de entregas de atividades de forma remota e também pela plataforma do Google Class Room, que não teve grande adesão pelos alunos do Município, mas foi oferecido a eles. “As atividades terão continuidade até o dia 14 de dezembro, sendo que ainda estão sendo feitas as entregas de atividades e, na última semana, será o fechamento de notas. Os professores estarão presentes no último dia letivo nas unidades escolares para concluírem este trabalho”, explica a professora e diretora de ensino, Andressa.

Comitê de Gerenciamento avalia o retorno das aulas presenciais

O retorno das aulas presenciais nas redes do Estado e Particular ainda está sendo planejado, mas o Município instituiu o Comitê de Gerenciamento da Pandemia para planejar este processo, que deverá acontecer de forma gradual em 2021.

O Comitê conta com 14 representantes da sociedade civil, da Secretaria Municipal da Educação, das escolas estaduais e privadas, do Legislativo e Ministério Público. Neste momento, as instituições privadas, estaduais e municipais estão enviando seus planos de contingência para o possível retorno, de forma escalonada e gradual. “O plano do território de Lages já foi aprovado pela regional, inclusive com selo de homologação e com QR Code. Esta etapa foi concluída no dia 13 de outubro”, conta a diretora de ensino.

Estes planos passarão por análise do Comitê, que deverá homologar e conceder o QR Code e selo de plano homologado para cada unidade escolar.  “Neste momento mais de 15 instituições privadas já passaram pela avaliação, receberam o selo e estão aptas ao retorno, mas vale frisar que ainda não temos uma data definida para que isso aconteça. Todas as instituições estão se organizando internamente para quando as aulas presenciais voltarem, que seja da forma mais segura possível”, afirma a diretora de ensino.

O Comitê também elaborou um calendário escolar para o ano letivo de 2021, com uma proposta de início das aulas a partir de 2 de fevereiro, que encontra-se em análise do Conselho Municipal de Educação para a aprovação.

Texto: Aline Tives

Achou essa matéria interessante? Compartilhe!