Sofrimento em dobro: família recebe corpo “errado” e descobre a confusão durante velório

Familiares de João Augusto Varela Pereira, que morreu no Hospital Nossa Senhora dos Prazeres na madrugada deste domingo (21), em Lages, estavam todos reunidos no velório.

A tristeza e a dor, entanto, deram lugar ao espanto e indignação quando descobriram que o corpo que estava dentro do caixão, que estava lacrado, era outro. O fato aconteceu no Bairro Triangulo.

Seu João era pedreiro e uma pessoa muito conhecida na cidade. Ele faleceu às 5h em decorrência de um AVC, enquanto estava internado. O corpo “errado” foi removido do necrotério do hospital pela Funerária Anjo da Guarda. A família descobriu a confusão por volta das 12 horas.

Na ocasião, descobriu-se que o corpo que estava sendo velado era o de Antenor Rogério Apolinário, que faleceu também na madrugada deste domingo no mesmo hospital devido a uma parada cardiorrespiratória. A essa altura, Antenor deveria estar sendo velado na Capela do Bairro Bela Vista, onde seus familiares aguardavam o corpo para o velório.

Adriana Varela Pereira, filha de seu João, disse que erro foi do hospital. “Fizemos todo o procedimento para a liberação do corpo, agora nos ligam dizendo que o meu pai ainda está lá no hospital. A gente já está abalado pelo sofrimento da perda e ainda acontece tudo isso. Vamos processar o hospital”, disse Adriana, após descobrir que não estava velando o pai.

O filho do seu Antenor, Cristiano Nazareno Apolinário, contou que descobriu o paradeiro do corpo do pai perto do meio dia. “O hospital não poderia ter deixado tirar o corpo de lá sem o conhecimento da família”, disse, indignado. Ao lado da irmã que ficou muito abalada com a situação, ele afirmou que vai procurar a justiça para punir os responsáveis pela confusão.

Procurado, o agente funerário informou que, quando esteve no hospital, não havia a etiqueta de identificação do cadáver no saco onde estava o corpo. Reinaldo Leidens, proprietário da funerária, negou que tenha havido erro da empresa. O hospital também foi procurado, mas não se posicionou até o fechamento desta reportagem.

Achou essa matéria interessante? Compartilhe!