Queijaria Tio Tácio é a segunda com certificação Selo Arte na Serra Catarinense

O Secretário de Estado da Agricultura, Pesca e do Desenvolvimento Rural, Altair Silva, e o presidente da Cidasc, Antonio Plinio de Castro e Silva entregaram à família Rissi, na tarde desta terça-feira (27), em São Joaquim, o Selo Arte. A certificação permite a comercialização do produto em todo o território nacional. Esta é a segunda queijaria na Serra Catarinense, a receber a certificação.


A solenidade na localidade Luizinho distante 30 Km do perímetro urbano, contou com a presença da vice-prefeita de São Joaquim, Ana Melo, a coordenadora do Programa de Sanidade de Produtos Agropecuários e Serviços de Inspeção Municipal do Consórcio Intermunicipal Serra Catarinense – Cisama, médica veterinária Andressa Barbosa, assessora de Turismo da Amures, Ana Vieira e diversos convidados.
Respeitando os protocolos sanitários de combate a Covid-19, o evento foi marcado pela oficialização do Selo Arte, ao queijo artesanal serrano produzido pela Queijaria Tio Tácio. Os convidados foram recepcionados no lado de fora da propriedade, ao lado da queijaria.
Desde 2020, a queijaria operava com o certificado de Inspeção Municipal (SIM), conferido pelo Cisama e serviço municipal de inspeção, o que permitia sua venda dentro dos limites do município. Agora com o Selo Arte, o queijo produzido na propriedade poderá ser negociado em todo Brasil. “Estamos animados em poder levar nosso queijo além-fronteiras de Santa Catarina e junto, a tradição de um produto genuinamente nosso”, disse André Rissi, filho de tropeiro que herdou a tradição da família de produzir e comercializar o queijo serrano.
A produção da Queijaria Tio Tácio é um projeto que envolve nove pessoas da mesma família. O saber-fazer preservado pela mãe Neiva Rissi, hoje já foi repassado para todos da família, como sua nora, Tuiza Rissi, que a ajuda na elaboração do produto.
A agroindústria faz parte do Projeto de Qualificação do Queijo Artesanal Serrano e foi construída com apoio do Programa SC Rural. A produção diária de seis queijos poderá agora ser aumentada, tendo em vista novos mercados consumidores.
O produto é elaborado em um processo 100% artesanal, a partir de leite cru produzido por vacas criadas em pasto nativo, mantendo a qualidade e a tradição. Segundo a extensionista social da Epagri no município Cristiane Lopes Couto, a receita se tornou um verdadeiro sucesso, pois apresenta características únicas, acentuadas pela maturação por tempos mais longos de até dois anos, o que confere ao queijo um sabor levemente picante e adocicado, muito apreciado pelos consumidores.

O saber-fazer do queijo preservado por Neiva Rissi

O queijo produzido pela família Rissi é mais um dos produtos de cursos de qualificação na área de boas práticas agropecuárias (BPA) e boas práticas de fabricação (BPF) oferecidas pela Epagri em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e com o Consórcio Intermunicipal da Serra Catarinense (Cisama).
Segundo Andressa Barbosa, a parceria entre o Cisama, serviço de inspeção municipal e Epagri, foi fundamental para consolidar a agroindústria. “Agradecemos à família Rissi por acreditar no SIM e apostar que poderia avançar ainda mais conquistando o Selo Arte. Ele agregará valor ao trabalho artesanal da família e permitirá que possam avançar para o Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal – SISBI-POA, que padroniza e harmoniza os procedimentos de inspeção para garantir a inocuidade e segurança alimentar”, citou Andressa Barbosa.


Selo Arte

O Selo Arte é uma antiga demanda dos produtores brasileiros que foi regulamentada em Santa Catarina em julho de 2020. Ele atende a uma legislação federal e permite que os produtos artesanais sejam comercializados em todo o país, desde que submetidos ao serviço de inspeção oficial (municipal, estadual ou federal) e identificados por um selo único com a indicação Arte.
Para ser considerado artesanal, o produto deve ser individualizado, genuíno e manter as características tradicionais, culturais ou regionais. Além disso, deverá ser regulamentado e reconhecido como artesanal pelo Estado de Santa Catarina.
A Cidasc, por meio do Departamento Estadual de Inspeção de Produtos de Origem Animal (DEINP), é a responsável por conceder o Selo Arte aos produtos que atenderem aos requisitos previstos nas normativas estaduais e federais.

Com informações:Gisele Dias/Assessoria de imprensa – Epagri

Achou essa matéria interessante? Compartilhe!