Cinco vereadores votaram contra compra de maquinário para recuperação de ruas

O projeto de lei 021/21 requer a autorização legislativa dos vereadores e vereadoras para contratar operação de crédito junto ao Banco do Brasil no valor de R$ 4.3 milhões para a aquisição de máquinas e equipamentos. O prazo para pagamento de 60 meses, com seis meses de carência. A taxa de juros de 0,90% ao mês.
O empréstimo pretendido junto ao programa Eficiência Municipal, do próprio banco em questão, que objetiva proporcionar investimento em maquinários como vibro-acadaboura, rolo compactador com pneu ou vibrador de solo, caminhão basculante, muck ou hidro, etc.

Segundo a justificativa da matéria, o município necessita de uma reaparelhamento de sua infraestrutura, pois o maquinário existente não atende toda a demanda existente de obras de pavimentação, drenagens, recuperação e manutenção de vias.

“A obtenção desse financiamento para que o Município adquira estes equipamentos, que passarão a fazer parte do patrimônio da municipalidade, irão proporcionar, além da melhoria e pontualidade dos serviços prestados à comunidade, substancial economia tanto na locação quanto na manutenção dos equipamentos. Além disso, com equipamentos novos e com vida útil prolongada poderemos atender a novas demandas que a municipalidade venha a ter”, argumenta o prefeito no documento.

Grupo do contra

Tem vereador que quer rua patrolada, mas não quer comprar máquina. Esquece que a dívida é do município e não do gestor que está ocupando o cargo, pois assim conseguem ser contra a cidade. E não foi um, foi o grupinho do contra a cidade.

Fonte: Câmara de Vereadores

Achou essa matéria interessante? Compartilhe!