Com avanço no Mapa de Risco, Serra Catarinense abranda medidas sanitárias de combate à disseminação do coronavírus com segurança e avalizada pelo Governo do Estado

As regiões do Alto Uruguai Catarinense, Planalto Norte, Serra Catarinense e Xanxerê são as que apresentaram melhora, baixando um nível de gravidade, enquadradas no risco grave 

O mais recente mapa de classificação na Matriz de Risco Potencial Regional, de sábado (10 de julho), avaliador das condições da Covid-19, pela Secretaria de Estado da Saúde (SES)/Governo do Estado, e divulgado também pelo Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes), expõe a melhoria do quadro de saúde em algumas regiões de Santa Catarina em face dos resultados alcançados com as decisões dos órgãos públicos gestores e das práticas de enfrentamento e precaução a novos casos na pandemia do novo coronavírus em Santa Catarina, pela coletividade. A Serra Catarinense passou do estado gravíssimo (cor vermelha) para o estado grave (laranja).

A Matriz de Risco Potencial para a Covid-19 segue apontando melhoras nos índices. O mapa desta semana aponta oito regiões em estado grave (cor laranja) e outras oito em nível gravíssimo (cor vermelha). Ao todo são 16 regiões regionais de saúde. As cores de classificação são vermelha (nível gravíssimo), laranja (grave), amarela (alto) e azul (moderado).

As regiões do Alto Uruguai Catarinense, Planalto Norte, Serra Catarinense e Xanxerê são as que apresentaram melhora, baixando um nível de gravidade, enquadradas no risco grave. Alto Vale do Itajaí, Alto Vale do Rio do Peixe, Carbonífera, Extremo Sul, Foz do Rio Itajaí e Nordeste seguem no patamar mais alto de risco, conforme dados explorados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES).

O índice que mede a capacidade de atenção, levando em consideração a ocupação de leitos, enfatiza que a Grande Florianópolis apresenta o mais baixo nível, classificada como moderado (cor azul). No entanto, todas as outras regiões seguem no nível vermelho. As regiões do Extremo Oeste, Médio Vale do Itajaí e Nordeste sofreram uma piora no quesito transmissibilidade, retornando ao risco mais alto de transmissão da doença.

Os dados apontam que houve uma redução de 23% nos óbitos por Covid-19 no Estado, caindo de 73 óbitos no dia 25 de junho para 30 óbitos no dia 9 de julho – período que compreende duas semanas. A diminuição também pode ser observada na média móvel em 14 dias.

No período compreendido entre 25 de junho e 9 de julho baixou-se de 2.792 casos para 2.296 e, apesar de os números permanecerem elevados, observa-se uma redução salutar em relação aos registrados nas últimas duas semanas, como explica o superintendente de Vigilância em Saúde do Estado, Eduardo Macário.

Em Lages, a Força de Segurança do Gabinete Emergencial de Prevenção e Acompanhamento da Covid-19, implantada pela prefeitura de Lages e integrada por agentes da Defesa Civil /Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (Comupdec), Diretoria de Trânsito (Diretran) e polícias Militar (PM) e Civil mantém, diariamente, sem interrupções, as operações de supervisão e fiscalização do cumprimento das definições estabelecidas e oficializadas em decretos estaduais e municipais. Em vigência estão os decretos do Governo do Estado nº: 1.351, de 30 de junho de 2021, e municipal n°: 19.131, de 19 de março de 2021. Das regras fazem parte o uso de máscara de proteção facial, disponibilidade de álcool gel para desinfecção das mãos, distanciamento social seguro de pelo menos 1,5 metros entre as pessoas e ventilação adequada em locais fechados. Os preceitos estaduais constam na Galeria de Imagens.

Portanto, de acordo com o decreto estadual mais atualizado, os municípios em nível de risco grave, como é o caso de Lages, deverão obedecer a princípios de organização para contenção de novos contágios, a exemplo do transporte coletivo urbano municipal, intermunicipal e interestadual, em que deverão ser mantidas todas as linhas e itinerários e, no nível grave, o limite de ocupação dos ônibus pelos passageiros deve ser de 70%.

Quanto aos serviços de alimentação em cafeterias, casas de chá, casas de sucos, lanchonetes, confeitarias, sorveterias, lojas de conveniências, restaurantes, pizzarias, churrascarias, cantinas, bares e afins, em cidades classificadas nos níveis grave e gravíssimo está permitido o funcionamento das 5h às 23h e entrada de novos clientes até as 22h, e devem ser cumpridas as regularizações das Portaria SES nº: 453, de 30 de abril de 2021 e da Portaria SES nº: 694, de 29 de junho de 2021.

As casas noturnas, boates, casas de showspubs e afins, podem utilizar, excepcionalmente, o espaço de seu salão para a realização de eventos sociais, com limite de ocupação de até 150 pessoas, das 6h às 23h. Devem ser seguidas as regras da Portaria SES nº: 576, de 29 de junho de 2021. Sobre eventos sociais – casamentos, aniversários, jantares, confraternizações, bodas, formaturas, batizados, festas infantis e afins – estão autorizados das 6h às 23h nos níveis grave e gravíssimo.

Está proibido o fornecimento de bebidas alcoólicas para consumo no estabelecimento, das 23h às 5h, nos níveis grave e gravíssimo. No nível alto está proibido o fornecimento de bebidas alcoólicas para consumo no estabelecimento de meia-noite às 5h.

Congressos, palestras, seminários e reuniões de caráter público ou privado estão permitidos no horário entre 6h e 23h nos níveis grave e gravíssimo.  As normatizações da Portaria SES nº: 455, de 30 de abril de 2021 devem ser respeitadas. A permanência, sem concentração e aglomeração de pessoas, está autorizada em parques, praças, jardins botânicos, balneários e praias.

O Governo do Estado atrai a atenção, ainda, para os seguintes pontos: Está proibida a aglomeração de pessoas em qualquer ambiente interno ou externo; ambientes públicos devem disponibilizar avisos com as regras aplicadas ao estabelecimento; todas as atividades devem observar os protocolos e regramentos sanitários específicos estabelecidos pela Secretaria de Estado da Saúde (SES); é obrigatório o uso de máscara de proteção individual em qualquer lugar, seja ele público, privado ou ao ar livre, com exceção do interior das residências; manter distanciamento entre as pessoas de, no mínimo, 1,5 metros; utilizar álcool 70% para higienização das mãos, e manter ambientes bem ventilados. Os municípios do Estado, por intermédio dos respectivos prefeitos, poderão designar medidas singularizadas mais restritivas do que as previstas no Decreto do Governo do Estado, para coibir a contaminação e a propagação da Covid-29 e seus territórios.

Como funciona o trabalho da Força de Segurança?

O comboio de órgãos públicos de operações da Força de Segurança do Gabinete Emergencial de Prevenção e Acompanhamento da Covid-19 de Lages percorre, com as viaturas, as áreas urbana e rural do município, com passagens, vigilâncias, controle e abordagens em ruas, avenidas, praças, parques, estabelecimentos comerciais e gerais (a exemplo de bares, lanchonetes, restaurantes, supermercados e igrejas), residências, condomínios, pontos turísticos urbanos e rurais, eventos (como os esportivos), chácaras, sítios e fazendas, com a finalidade de inspecionar, partindo de supervisões originadas por denúncias ou pelas rondas de vistoria em si, eventuais desobediências aos regimentos dos decretos vigentes, como à utilização de máscara e de álcool gel, distanciamento social, proibição de aglomerações de pessoas e à realização de festas clandestinas com grande número de presentes, com aplicação das penalidades cabíveis nos sinistros de insubordinações. Nas abordagens há os atendimentos com orientações e suscetibilidade de aplicação de notificações, Termos Circunstanciados (T.C.s) e multas, no valor de cinco Unidades Fiscais do Município de Lages (UFMLs) para pessoa física, então, R$ 2.140 a cada cidadão (o valor unitário da UFML é de R$ 428), ou de 50 UFMLs a pessoa jurídica, chegando-se ao valor de R$ 21.400 unitariamente, nos casos de indisciplina e violações aos dispositivos legais.

E o panorama em Lages?

O Boletim Epidemiológico da Secretaria da Saúde do município de Lages, tornado público na noite deste domingo (11 de julho), às 22h, mostra que já foram aplicadas 106.252 doses da vacina contra o novo coronavírus em Lages, divididas entre 79.712 de primeira dose, 22.494 de segunda dose e 4.046 de dose única. “A vacinação da população adulta transcorre normalmente, para trabalhadores de determinados ramos e para faixa etária a partir dos 35 anos em geral. Obtivemos recorde superior a três mil doses aplicadas em um único dia (sábado, dia 10), isto nos deixa contentes e ainda mais esperançosos. Pedimos à comunidade que continue se cuidando e não relaxe com os hábitos de saúde para frearmos a disseminação da Covid-19. Estamos todos na luta pela vida”, salienta o secretário da Saúde de Lages, Claiton Camargo de Souza.

Durante todo este período de pandemia, até os dias atuais, em Lages foram registrados 26.948 casos confirmados de Covid-19, com 25.913 pessoas recuperadas da doença e 533 casos estão ativos. São 502 óbitos de moradores de Lages e 324 de outras cidades pertencentes à área geográfica da Associação dos Municípios da Região Serrana (Amures).

Do total de internações hospitalares, 45 pacientes moradores de Lages estão acolhidos em hospitais de Lages e 47 moradores de Lages estão ocupando leitos de hospitais em cidades da Amures (soma de Lages e demais leitos da região). Moradores de outras cidades ocupam 42 leitos em Lages e 58 leitos em municípios da Amures.

A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) reservada para pacientes de Covid-19 está com 81% em leitos de Lages e está com 81% em cidades da Amures. Os leitos de enfermaria Covid-19 estão com 60% de ocupação em Lages e 35% em municípios da Associação de Municípios. Na região da Amures, nenhuma pessoa aguarda por leito de UTI Covid-19 ou de enfermaria Covid-19 e cinco pacientes esperam por uma vaga em leitos de UTI geral.

Texto: Daniele Mendes de Melo

Fotos fiscalizações Força de Segurança: Defesa Civil/Divulgação

Imagens orientações do Governo do Estado: Secretaria de Estrado da Saúde (SES) de Santa Catarina/Divulgação

Achou essa matéria interessante? Compartilhe!