//Mais uma propriedade é certificada pela Rede Rural de Segurança

Mais uma propriedade é certificada pela Rede Rural de Segurança

Instituída no fim do ano passado, a Rede Rural de Segurança – RRS está no segundo estágio do processo de aplicação. É o momento de colocar placas nas propriedades já certificadas. A intensão é demonstrar, por meio do recurso da identidade visual, a presença da autoridade policial também nas áreas rurais da Serra Catarinense.
A Fazenda Raposo localizada em Casa Campos, na Coxilha Rica, há 35 quilômetros de distância da cidade de Lages, recebeu a visita dos policiais da RRS para a certificação da propriedade na quarta-feira (21). O proprietário e presidente da Associação Rural de Lages, Marcio Pamplona, é incentivador do projeto desenvolvido pela PM no interior. Ele acredita ser de extrema importância a aproximação da polícia com a população rural.
As seis pessoas que trabalham na Fazenda se sentem mais seguras com a presença da PM. Marcio acredita que a segurança do homem do campo deve estar em primeiro lugar. “Se ofereceremos qualidade de vida para quem mora no interior, evitaremos o êxodo rural, elas não vão querer sair do seu ambiente. É o que essa placa significa. Certificar que a propriedade possui condições que garantem segurança e facilitar a localização por meio do georreferenciamento para atender as demandas do homem do campo”, destaca Marcio.
O responsável pelo programa, tenente Douglas Tadros Rodrigues de Freitas, conta que na primeira fase os policiais da RRS fizeram 235 visitas aos moradores do interior para analisar o cenário e traçar estratégias de atuação. Ainda orientaram os proprietários sobre medidas para deixar suas propriedades mais seguras.
Agora é hora de certificá-las. “Frente ao número elevado de propriedades esta fase durará alguns meses.” O tenente conta ainda que, desde a implantação da RRS, nas propriedades certificadas não houve ocorrência de novos de furtos. “Para manter esse índice positivo, permanecemos em rondas diárias nos oito roteiros que compreendem a área do 6º BPM”, explica.

Por Catarinas || texto e fotos