//Em Lages, acordos passam dos R$ 55 mil em mutirão de regularização de crédito

Em Lages, acordos passam dos R$ 55 mil em mutirão de regularização de crédito


Um credor se dispôs a fazer acordos com devedores numa ação proposta pelo Juizado Especial Cível da comarca de Lages. Na semana passada, houve um mutirão de negociação, que teve resultado satisfatório, com ajustes que passaram de R$ 55 mil. No projeto-piloto do programa de regularização de crédito, algumas atividades estão sendo desenvolvidas ao mesmo tempo. Nesta semana, outras 50 audiências estão marcadas para ocorrer no Fórum com devedores de um estabelecimento da área do vestuário.

Houve 24 audiências com 16 acordos bem sucedidos. Na maioria das ações, a dívida foi parcelada. Também teve casos como o de um homem, morador de cidade vizinha a Lages, que comprou um veículo para trabalhar na agricultura, não conseguiu pagar e o devolveu ao vendedor. O idoso adquiriu o bem em 2016, no valor de R$ 20 mil, fez alguns empréstimos para melhorias no automóvel e acabou se endividando. “Para mim, entregar o carro foi a melhor saída. Me sobram R$ 280 por mês e não conseguiria honrar com esse compromisso. Vou para casa mais aliviado”.

As conversas entre o empresário, a advogada e as partes foram mediadas pelo juiz leigo César Motta Castella Júnior. Ele diz que o mutirão foi mais uma experiência de atividades que podem integrar o programa de regularização de crédito. “A ideia foi ouvir da parte devedora se gostaria de quitar a dívida e, principalmente, de que maneira esse negociação ficaria boa para ambas. O mais importante foi ajustar a proposta para que coubesse no planejamento financeiro mensal. O objetivo é possibilitar que cumpra o acordo de pagamento até o fim”.

O programa vem sendo planejado desde o ano passado e poderá contar com alguns parceiros, como a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e Associação Empresarial de Lages (Acil). Ainda neste mês, a CDL fará a indicação de 10 empreendimentos para um mutirão de conciliação pensado para abril. Em maio se faz uma avaliação e ajustes para o de junho. E em julho encerra a primeira fase das atividades com a entidade.

Taina Borges

Jornalista

Núcleo de Comunicação Institucional do TJSC – Comarca de Lages