LagesPrevi traça um panorama de 2017 e ideias para o em sua última reunião do ano

Há um saldo de R$ 28 milhões referentes a 2013 em diante. Quanto ao período anterior, a Prefeitura cobre R$ 1,9 milhão por mês

O final de 2017 está se aproximando e é comum empresas e instituições reunirem o corpo diretivo para avaliar os pontos executados pela gestão ao longo do ano corrente e traçar metas para o próximo. O Instituto de Previdência do Município de Lages (LagesPrevi) reuniu seus Conselhos Curador e Fiscal na tarde desta segunda-feira (11 de dezembro), quando foram compartilhadas informações de diagnóstico, técnicas e jurídicas, a exemplo da aprovação das alterações da política de investimentos.Na pauta, prestação de contas e as aplicações financeiras do saldo de R$ 28 milhões no caixa do Instituto, levando-se aos conselheiros as formas como estão sendo empregados estes recursos, os apontamentos do mercado financeiro e orientações de aplicações para 2018. Este montante é resultado da contribuição dos funcionários efetivos referindo-se a 2013 em diante. Quanto ao período anterior, há um déficit mensal de R$ 1,9 milhão cobertos pela Prefeitura, entre outros repasses, que são parcelamentos.Sob o ponto de vista do LagesPrevi, atualmente o melhor negócio para estes recursos são aplicações do Tesouro Nacional. “As melhores e mais garantidas letras de hoje em dia. Nós temos aplicações na Caixa, Banco do Brasil, distribuições de aplicações. É uma reserva de dinheiro que ajudará o servidor para se aposentar mais tarde, com maior rentabilidade (juros)”, pontua o presidente do Instituto, Aldo da Silva Honório.Em seu primeiro ano à frente do LagesPrevi, o presidente Aldo esclarece que em fevereiro ou março de 2018 já possa existir outra variável, mas a discussão de agora é válida. “Temos uma consultoria que nos presta serviço no sentido de orientar como aplicar este dinheiro. Os futuros aposentados não terão problema financeiro e, sobre os antigos, a Prefeitura continuará aportando os valores necessários todo mês.”Em 2017 o foco foi o controle de custos e evitar ao máximo novas despesas. Além da arrecadação dos funcionários, o LagesPrevi tem o papel fundamental de atuar na questão da compensação do INSS, pois anteriormente à Prefeitura, o funcionário trabalhou em outro local, contribuindo para a Previdência Social. Ainda há processos em andamento. Atualmente, em torno de 2.600 servidores municipais efetivos contribuem para o LagesPrevi, enquanto contratados e comissionados contribuem para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Dos funcionários são descontados 11% e da Prefeitura, 18%. O Município conta com 1.118 aposentados. A cada mês, entre dez e 12 funcionários se tornam inativos (aposentados).Os membros dos Conselhos Curador e Fiscal são escolhidos por eleição e correspondem à gestão do biênio 2017-2019. O presidente foi nomeado pelo prefeito Antonio Ceron e administra por quatro anos. Aldo da Silva Honório já havia trabalhado como advogado do LagesPrevi por dez anos. Os diretores administrativo-financeiro e de benefício são cargos ocupados por servidores efetivos do Município. As reuniões do LagesPrevi acontecem mensalmente.

Achou essa matéria interessante? Compartilhe!

Deixe um comentário