//Plataforma na “beira do precipício”

Plataforma na “beira do precipício”

Caberá a SC Par, empresa do governo de Santa Catarina fazer o assessoramento técnico ao projeto que objetiva implantar uma plataforma de vidro no mirante da Serra do Rio do Rastro, em Bom Jardim da Serra.

A missão da empresa será ajudar a moldar o regime de parceria. Se público-privada ou de concessão de serviço público. Como anunciou o diretor da SC Par, Fabiano Ramalho, em reunião com lideranças da Serra Catarinense e a presidente da Santur, Flávia Didomenico.O governo abriu agora, um Termo de Cooperação Técnica de Deflagração de Procedimento de Manifestação de Interesse. Isso quer dizer, quem quiser empreender na construção de uma plataforma ou qualquer outra benfeitoria no Mirante da Serra, que se manifeste.Só a partir disso é que será anunciado se a futura obra será público-privada ou concessão pública. Numa nova etapa serão acolhidas as propostas. E só depois serão analisados os projetos. E a quem de fato caberá executar o projeto e operar o equipamento turístico. Isso se não houver nenhum recurso de impugnação.No meio disso tudo, ainda teremos audiências públicas e uma guerra de interesses pessoais e comerciais que podem acabar na justiça, dos comerciantes que estão há décadas explorando os pontos comerciais, onde será edificada a plataforma.Sem contar que o maior interessado no projeto, o empresário Moacir Bogo, único a apresentar até agora projeto para construir a plataforma avisou que não aceitará fatiar seu projeto com outros, para compor um terceiro projeto. “Aceito fazer adequações, mas não canabalizar meu projeto”, declarou.Existe um outro pequeno impasse a ser resolvido entre os municípios de Bom Jardim da Serra e Lauro Muller. De olho no movimento econômico do negócio, ambos reivindicam que a plataforma ficará em seu território.Só para resolver só esses “probleminhas”, serão necessários vários meses. E se o governo descuidar, vai metade do mandato e não definiram nem o regime de parceria. Há mais de uma década a novela da plataforma de vidro no Mirante da Serra se arrasta.Denominado Projeto Serra do Rio do Rastro Aventura, o projeto do grupo Bontour SA, o mesmo que implantou o Parque Unipraias em Balneário Camboriú, o teleférico que liga a Basílica da Aparecida ao Morro do Cruzeiro e o teleférico de Canela (RS), ainda terá muitas etapas a ser vencida.Se a burocracia não tivesse a dimensão do Brasil. Se as leis agilizassem ao invés de emperrar e se o sistema pelo qual somos regidos não fosse de tantos recursos e instâncias, a plataforma do Rio do Rastro já estaria operando. E quem sabe os equipamentos todos do complexo, que previa até uma tirolesa que faz curva e um bondinho no entorno do cânion, estariam funcionando.