//Representantes do Ministério da Saúde estão em Lages para avaliar projeto da Rede Cegonha

Representantes do Ministério da Saúde estão em Lages para avaliar projeto da Rede Cegonha

Classificada entre as 30 melhores experiências do país, o projeto pode ficar entre as 15 melhores experiências para ser compartilhada com outros Estados do Brasil e países da América Latina

Além de reduzir a mortalidade infantil na região serrana, um dos mais preocupantes e desafiadores índices para os gestores e profissionais que atuam saúde pública, o trabalho realizado pela Rede Cegonha Serra Catarinense já é apontado como referência para o país. Em março, o projeto LAB-Mãe Serrana: EPS Transformando Práticas, desenvolvido pela Rede Cegonha, foi classificado entre as 251 experiências inscritas em todo o país para o Prêmio do Laboratório de Aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS), promovido pelo Ministério da Saúde (MS). O Prêmio tem como objetivo mapear e potencializar as melhores práticas de Educação Permanente em Saúde no Sistema Único de Saúde (SUS), através do Departamento de Gestão da Educação na Saúde, da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (DEGES/SGTES) e da OPAS.

Nesta semana, em uma nova etapa do processo da premiação, as avaliadoras do Ministério da Saúde, Marielle Maria Marques Matias e Norma Fagundes, que também representam a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), estiveram em Lages na quinta e sexta-feira (19 e 20 de abril) para acompanhar e avaliar as atividades desenvolvidas. Após as visitas nas 31 cidades classificadas, serão definidos os 15 finalistas, cujas experiências serão compartilhadas com outros Estados brasileiros e países da América Latina.

 A Rede Cegonha Serra Catarinense iniciou as atividades há cinco anos na região. O grupo multidisciplinar é formado por profissionais que atuam na Atenção Básica das redes municipal e estadual de saúde, com o propósito de assegurar à mulher o direito à atenção humanizada na gravidez, parto, puerpério e também ao nascimento seguro do bebê. Nesta sexta-feira (20), durante encontro realizado na sede da Loja Maçônica Templários da Justiça, na BR-282, reunindo profissionais e gestores dos municípios que compõem a Amures, a coordenadora da Rede e gerente regional de Saúde, Daniela Rosa, destacou os esforços de todos os envolvidos no fortalecimento da Atenção Básica para superação das dificuldades. Nas palavras de Daniela, “esse grupo é de afeto, não só de trabalho”.

A secretária municipal da Saúde, Odila Waldrich, concluiu que, “o alto índice de óbitos no nascimento é um problema da região como um todo, não apenas de Lages. Mas como somos o maior município da Serra temos condições técnicas e humanas, através dos nossos profissionais que integram a Rede Cegonha, de colaborar e desenvolver o trabalho de educação permanente”. Odila acompanhou as discussões, juntamente ao vice-prefeito Juliano Polese. Ele destacou que já é possível perceber os resultados do trabalho, com a redução do número de óbitos no ano passado. “Que possamos firmar esse indicador, um dado delicado na rede de saúde e que abala tantas famílias”, acrescentou.